História da web

ÍNDICE








INTRODUÇÃO


O que é WEB


História da Internet e da Web


CONCLUSÃO




BIBLIOGRAFIA



INTRODUÇÃO




O QUE É WEB Uma definição técnica de WEB ou World Wide Web: todos os recursos e usuários na Internet que estão usando o HTTP (Hypertext Transport Protocol). Segundo o seu criador (Tim Berners-Lee) "uma Web representa o universo das informações acessíveis por redes de computadores, uma personificação do conhecimento humano". A World Wide Web possui um "corpo" de software e um conjunto de protocolos e convenções, que possibilitam às pessoas acessando a Internet uma busca, recuperação, navegação e adição de informações a um ambiente virtual com total liberdade de ação. Um consiste de Web sites (localidades) estabelecidos por provedores de acesso à Internet, instituições de ensino ou empresas comerciais. Os sites são "visitados" pelos utilizadores. A parte física da Web consiste acolhimento nas estações conectadas à rede Internet, e esta aos computadores dos usuários visitantes.



HISTÓRIA DA INTERNET E DA WEB Pré-história Em 1957, um ex-URSS lança o Sputnik, os EUA respondem formando um ARPA (Advanced Research Projects Agency). Em 1962, Paul Baran descreve redes de chaveamento de pacotes em "On Distributed Communications Networks". Em 1967, o plano de uma rede de chaveamento de pacotes é apresentado no Simpósio sobre Sistemas operativos Princípios da ACM (Association for Computing Machinery). A Internet A Internet teve um início Humilde e interessante com uma rede, denominada ARPANET (Advanced Research Project Agency Network) - considerada a "Mãe da Internet". A ARPANET surgiu em 1969 como uma experiência dos Estados Unidos em redes com comutação de pacotes.
Um ano depois, os acolhimento da ARPANET começam uma usar o NCP (Network Control Protocol). Em 1971, Ray Tomlinson, da BBN, Inventa um programa de E-mail para rede distribuída.
Em 1972, foi especificado o telnet, padrão para emulação remota de terminal. No ano seguinte, veio um público uma especificação do protocolo para tranferência de arquivos, o FTP (File Transfer Protocol). Em 1974, a definição e implementação dos protocolos TCP / IP (Transmission Control Protocol / Internet Protocol) veio permitir a comunicação entre computadores com arquiteturas diferentes. O TCP / IP foi adotado progressivamente, funcionando em paralelo com NCP até 1983, quando este foi abandonado definitivamente. Nesse mesmo ano, uma tese de doutoramento de Robert Metcalfe em Harvard delineia um Ethernet. A Ethernet se mostrou um método simples e barato de ligar computadores um pequenas distâncias e, mais tarde, se Tornaría sinônimo de rede local. Em 1978, Tom Truscott e Jim Ellis, dois estudantes da Universidade Duke - Chicago, tiveram a idéia de distribuir um Informações pessoas da comunidade Unix através de UUCP (Unix-to-Unix Copy). Escreveram, junto com Steve Bellovin, da Universidade da Carolina do Norte, e Steve Daniel, um programa de conferência e interligaram os computadores das duas universidades. O sistema foi batizado de Unix User Network, ou simplesmente Usenet.


A Usenet continuou uma crescer rapidamente e passou a utilizar cada vez mais a ARPANET como principal canal de distribuição. Esse fato conduziu à criação de um protocolo de transmissão próprio, o NNTP (Net News Transfer Protocol), em vez do UUCP. Também em 1978, Ward Christianson - autor do Xmodem (protocolo para tranferência de arquivos para Microcomputadores) - criou o primeiro BBS (Bulletin Board System, um sistema privado para troca de mensagens), o RCPM. No início da década de 1980, a ARPANET original foi dividida em duas redes: a ARPANET eA Milnet (uma rede militar). No final de 1983, Tom Jennings CRIA FidoBBS (outro tipo de BBS).
Também em 1983, várias redes de computadores (redes locais, regionais e nacionais) resolvem permitir uma comunicação entre todos os seus computadores. Cria-se uma Internet, Rede (global) de redes de computadores. A Lança o Berkeley Unix 4,2 incorporando o TCP / IP.
Em 1984, Jennings lançou um software para troca de mensagens entre BBS compatíveis com o FidoBBS. Um Fidonet, rede de BBS tipo FidoBBS, era semelhante à Usenet e à BITNET, porém, rodava em Microcomputadores IBM-PC. Também em 1984, Rick Adams cria o protocolo SLIP (Serial Line Internet Protocol), que imple IP em linhas discadas. O DNS (Domain Name Server) é lançado. Apartir desse ano, a National Science Foundation (NSF) passou a ser responsável pela manutenção da ARPANET. Em 1986, foi criada uma NSFNET (National Science Foundation - como o CNPq do Brasil) que ligava pesquisas feitas em todo o país um cinco centros de supercomputador. Também já era possível obter-se direto à rede via modem utilizando SLIP. Em 1987, o Internet worm (vírus de computador chamado de verme) Ataca na Rede, afetando 6,000 servidores. Em 1988, Jarkko Oikarinen criou o IRC (Internet Relay Chat), um modelo cliente-servidor que permite que diversos usuários "conversem" on-line, compartilhando um mesmo canal virtual de comunicação. O número de máquinas on-line chegou a 100 mil e todo o backbone da NSFNET foi atualizado para canais T1. No final do ano, um ARPA criou o CERT (Computer Emergency Response Team), destinado a pesquisar e aprimorar a segurança na rede. O primeiro firewall tinha sido criado pela Digital Equipment Corporation dois anos antes.






Em março de 1990 a ARPANET foi extinta. Ainda em 1990, entra no ar um Mundo (http://www.world.std.com) o primeiro provedor de acesso comercial do mundo, permitindo que usuários comuns, desde que disponham de um micro e de um modem, alcancem um grande rede. Por outro lado, a internet se torna cada vez mais internacional. Antes do fim do ano, conectam-se Argentina, Áustria, Bélgica, Brasil, Chile, Grécia, Índia, Irlanda, Coréia do Sul, Espanha e Suíça. Em 1991, a Universidade de Minnesota apresenta o Gopher, um sistema de catalogação capaz de apresentar os recursos da rede agrupados por assunto, permitindo ao usuário escolher o que deseja atravéz de um sistema de menus. No mesmo ano Brewster Kahle, da Thinking Machines Inc., cria o WAIS (Wide Area Information Service), um método para indexar bases de dados descentralizadas. Agora já é possível indexar o próprio conteúdo dos arquivos, e não apenas seus nomes ou descrições. Ainda em 1991, Philip Zimmerman faz uma grande contribuição à privacidade na rede, tornando público, gratuitamente, o seu programa Pretty Good Privacy (PGP), que aplica criptografia de chave pública. Em 1992, a Universidade de Nevada aprimora o sistema Gopher e lança uma ferramenta
chamada Veronica, capaz de efetuar Buscas em vários servidores Gopher simultaneamente.
No mesmo ano, ocorrem como primeiras tentativas de fazer broadcast na rede, ou seja, de enviar uma mesma mensagem para diversos usuários, algo não previsto na especificação original TCP / IP - pacote enviado de um único endereço a um único endereço. É o projeto MBONE, que utiliza Endereços especiais (não usados por nenhuma máquina na rede) para enviar pacotes destinados um várias máquinas. O esquema é batizado de IP multicast.
A WEB Em 1992, Tim Berners-Lee Inventa uma World Wide Web (Teia de Alcance Mundial), um sistema de hipertexto distribuído baseado no modelo cliente-servidor. Trata-se de um método extremamente eficiente de reunir informação sobre virtualmente qualquer coisa. Todos os padrões da Web - o protocolo de comunicação HTTP (HyperText Transfer Protocol), uma linguagem de descrição de páginas HTML (HyperText Mark-up Language) eo método de identificação de recursos URL (Uniform Resource Locator), bem como o código fonte dos programas cliente e servidor - são disponibilizados pela internet. Em 1993, um NFS cria o InterNIC, que controla uma Concessão de Endereços IP, o registro de novos domínios e mantém um repertório de Diretórios, ou seja, um banco de dados com informações sobre toda a comunidade da Internet. É o que InterNIC ópera, com base nesse banco de dados, o serviço WHOIS, prestando informações sobre qualquer domínio.




No mesmo ano, Marc Andreessen, apresenta o primeiro cliente gráfico WWW, o NCSA Mosaic. Permite disponibilizar documentos que incluiam imagens, gráficos e mais tarde filhos e filme, na Internet e visualizar e "navegar" (seguir como ligações) dessa mesma informação. Em 1994, o Mosaico domina a Internet ea WWW juntamente com o Gopher proliferam. Nesse mesmo ano, Andreessen se associa uma Jim Clark, ex-CEO da Silicon Graphics, para fundar um Netscape Corporation. Antes do fim do ano, a empresa lança o Navigator, versão comercial do Mosaic que toma de assalto o mercado. Fica claro que a World Wide Web é um assassino aplicação da Internet, ou seja, uma aplicação que Faltava uma rede para que chegasse ao grande público. Os sites na Web - pessoais e comerciais - se multiplicam como cogumelos e logo começam aparecer um mecanismos de busca (motores de busca) - sites que varrem todo o web, gerando índices e permitindo Buscas por palavras-chave em todas as páginas Web do mundo. Em 1995, a NSF descomissiona um NSFNET e transfere os fundos para um vBNS (Very-High-Speed Backbone Network Service). Os fornecedores de rede assumem um importante papel na Internet. A WWW torna-se ao lado do E-mail um dos serviços mais populares. Tem-se servidores 4.000.000 e 40.000.000 de usuários conectados.

Conclusão


Ao contrário de uns anos atrás, quando algum funcionário da empresa devia ficar "pendurado" ao telefone ou indo atrás de outras pessoas perguntando, conferindo e cobrando sobre o andamento de alguma atividade de negócio, hoje já é possível ter tudo controlado com o uso de uma ferramenta chamada workflow. Mais que isso, se alguns recursos da Web estiverem acoplados à essa ferramenta, o funcionário poderá saber o que quiser através de um terminal de computador executando um web browser qualquer.
Juntando todas as informações pesquisadas, torna-se bem visível por que a Web pode melhorar as ferramentas de workflow. Os motivos são bem simples:
os browsers: permitem que qualquer indivíduo participe da aplicação modelada no workflow de qualquer lugar do mundo, precisando apenas de um software como o Netscape ou o IExplorer, sem necessitar de componentes de hardware/software adicionais e o único requisito é que esse indivíduo esteja familiarizado com o browser escolhido, sendo que, os mesmos oferecem interface padrão, amigável e de fácil treinamento;
infraestrutura de comunicação: a ferramenta de workflow não precisa se preocupar com questões básicas de comunicação como o protocolo a ser utilisado, visto que pode usar os da Internet. Além disso, a troca de mensagens pode ser feita através de e-mail com toda a segurança que esse recurso oferece; a ferramenta torna-se portável para vários sistemas operacionais existentes liberando-a da limitação de rodar sobre uma única plataforma; é permitido o tráfego não somente de documentos texto como de imagens, vídeo e som.
Nota-se também, que a Web, bem como as Intranets e Extranets, reduz o custo das transações dos processos de negócios - como já foi falado - sendo esse mais um motivo importante para agregar as facilidades da rede ao workflow.
No mundo competitivo em que nós vivemos, qualquer ganho é sempre vantajoso, e uma vez que as tecnologias da Web trazem várias vantagens, não tem como deixá-las de lado na hora da implementação de qualquer ferramenta. Isso as empresas fabricantes de software para workflow já perceberam. As que ainda não incorporam essas idéias aos seus produtos já estão fazendo pesquisas e tentativas, bem como várias universidades estão criando suas próprias ferramentas e conclusões.
Com certeza, pode-se finalizar com o fato de que a união de duas tecnologias tão robustas como o workflow e a web está se tornando ou já é uma tendência para o mercado atual.






Bibliografia


http://www.inf.ufrgs.br/~mirella/workflow/web.html

Postagens mais visitadas